quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Mensagem do desassossego



Encontrei hoje em ruas, separadamente, dois amigos meus que se haviam zangado um com um o outro. Cada um me contou a narrativa de porque se haviam zangado. Cada um me disse a verdade. Cada um me contou as suas razões. Ambos tinham razão. Ambos tinham toda a razão. Não era que um via uma coisa e o outro outra, ou que um via um lado das coisas e outro um lado diferente. Não: cada um via as coisas exactamente como se haviam passado, cada um as via com um criterio identico ao do outro, mas cada um via uma coisa differente, e cada um, portanto, tinha razão. Fiquei confuso d’ esta dupla existencia da verdade.


Livro do Desassossego - Tomo I, edição crítica de Fernando Pessoa, volume XII, edição de Jerónimo Pizarro, Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 2010, p. 476

3 comentários:

  1. O "terceiro" é quem vê o "igual-desigual".

    ResponderExcluir
  2. ...Cada um via as coisas exatamente como se haviam passado, cada um as via com um critério identico ao do outro, mas cada um via uma coisa diferente...

    Ambos com seu ponto de vista, sua razão, mas geralmente o orgulho de ambos faz com que as coisas não sejam esclarecidas, cada um acha que sua razão é mais plausivel e não chegam a lugar algum ...Cabe a um deles criar coragem deixar o orgulho de lado e explicar sua razão ao outro ...

    ResponderExcluir
  3. Fiquei confuso d'esse duplo comentário... de verdade!

    ResponderExcluir