terça-feira, 17 de agosto de 2010

Platão e a unidade no amor



[...] desde que a nossa natureza se mutilou em duas, ansiava cada um por sua própria metade e a ela se unia, envolvendo-se com as mãos e enlaçando-se ao outro. No ardor de se confundirem, morriam de fome e de inércia em geral, por nada quererem fazer longe um do outro. E sempre que morria uma das metades e a outra ficava, a que ficava procurava outra e com ela se enlaçava.
Tomado de compaixão, Zeus consegue outro expediente, e lhes muda o sexo para frente – pois até então eles o tinham para fora, e geravam e reproduziam não um no outro, mas na terra [...] É então de há tempo que o amor de um pelo outro está implantado nos homens, restaurador da nossa antiga natureza, em sua tentativa de fazer um só de dois e de curar a natureza humana.

Platão, O Banquete

5 comentários:

  1. "No ardor de se confundirem, morriam de fome e de inércia em geral, por nada quererem fazer longe um do outro."

    Que lindo... sabe querido Paulito, tudo que é desconhecido me atrai e certamente é por isso que o amor me atrai e atrai tantos, penso eu, porque é desconhecido e tentamos decifra-lo há anos...

    Bjk

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. como é lindo esse amor Platônico!

    ResponderExcluir
  4. E há tão lindas versões para a mitológica história de Eros e Psiquê! Que Zeus teria lhes cegado a alma e Vênus, cheia de compaixão para com os amantes, possibilitou que a gota de óleo que marcou-lhes o corpo servisse para que se reconhecessem a cada nova encarnação...
    Na época em que lia mto sobre isso, lembro que na mitologia nórdica também havia um mito equivalente.
    E rende grandes discussões filosóficas a ânsia de formarem(mos) um uno.
    Aiai... Viajei... rs
    Mto bom!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. É meninas, ainda que não saibamos lidar bem com os terrenos novos, o amor é um tema que se constitui como o grande mistério, afinal, sabemos ou não sabemos do que se trata? do que ele trata?E vamos caminhando em direção à essa "divindade" durante a vida, não exatamente para tentar tocá-lo com a mão, mas porque esse majestoso porque nos faz caminhar.

    beijos amorosos

    ResponderExcluir