sábado, 20 de novembro de 2010

Beleza interior por Bukowski



"A conversa rolou e as meninas cascateavam sobre homens, festas, dança e sexo. Glendoline tinha uma voz estridente, excitada, e um riso nervoso. Ria a toda hora. Era uma quarentona gorda e esculachada. Além disso, era simplesmente feia, igual a mim. Glendoline deve ter falado uma hora inteira sem parar, só sobre sexo. Comecei a ficar tonto. Ela sacodia os braços no ar:

- EU SOU A MULHER SELVAGEM DAS MONTANHAS! OH, ONDE ESTÁ O HOMEM, O VERDADEIRO HOMEM CORAJOSO QUE VIRÁ ME ARREBATAR?

- Bem, aqui seguramente é que não está - pensei."




Charles, o Bukowski, o catarro da verdade.

4 comentários:

  1. hahahaha muito boa deiz! Comecei a ler "O Amor é um Cão dos Diabos" dele, sensacional. Disseste muito bem sobre ele: o catarro da verdade [2].
    Aquele abraço da capital federal!

    ResponderExcluir
  2. Os feios também amam!

    ResponderExcluir
  3. HAHAHA.

    Realmente, tu vai ser a GRANDE influencia para que eu volte a dar outra chance ao Buka, que da primeira vez nao desceu bem, no final da minha adolescencia.

    (REPITO: melhor dizer, uma nova chance a MIM).

    ResponderExcluir
  4. Já li irmão, é show. Mas confesso que ando gostando mais das histórias dele. É demais a liberdade que ele tem né!
    Carulice, vá brigar com o velho Bukowski, não comigo.

    Gabriel, experimente Cronincas de um amor louco. Certo que vais gostar.
    Abraç~ço

    ResponderExcluir